Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Poder




Muitos, meio desapercebidos, o buscam. Muitos, altamente interessados, o procuram. "Ser alguém na vida", uma frase popular, o que essa frase lhe implica? Ser alguém é ter poder e ser reconhecido pelos outros por esse poder. Porém, o poder, como todas as outras coisas, é uma coisa relativa.
Poder para destruir, poder para desconstruir, poder para construir. São claras as condições e os valores das pessoas que o possuem com dignidade, esquecendo a ganancia (velha ganancia) e o egoísmo. Quem sabe, quem possui sabedoria, quem procura ter uma filosofia própria a mostrar ao mundo, é quem tem o tal poder.
Não quero que concordem com as coisas que eu disser, apenas aceitando. Vamos formar nossas opniões, a partir da comparação com outras opniões formadas.
Um dia desses percebi que a verdade nunca será concreta, pois a verdade incontestável de hoje, pode ser a incontestável incerteza de amanhã. Será que sei o que digo?
Acreditando nesse aspecto, vejo o quanto o ser humano é um ser "mecânico".
Por que as pessoas não param pra pensar? Será que pra elas isso dá preguiça?
Que eu saiba, preguiça é o ato de descançar sem estar cansado. Então de onde vem o imaginário cansaço pra pensar? Como o meu mundo e o de muitos vai mudar, mantendo uma inércia mental e adormecida?
Ah, meus amigos... existem tantas e tantas perguntas.
Mas de uma coisa eu sei.

A vida é uma grande contradição.

Não acredito na verdade. A verdade é sempre momentânea. A verdade evolui a partir do instante em que você evolui também. Suas razões se aguçam e teus pensamentos te mostram brechas defeituosas naquilo que você acredita. Acreditar, está além da razão lógica.

Nascemos no meio de um caminho infinito.
Caminhamos por esse chão carregado de desigualdades, incertezas, mistérios e soluções escondidas. De uma coisa eu sei. Quem tem poder, tem sabedoria. Quem tem sabedoria, tem conhecimento. Quem tem conhecimento, tem certeza do que sabe. Quem tem certeza do que sabe, saberá que amanhã pode não saber de nada. E quem admite a si mesmo que só sabe que não sabe de nada, é quem é humano de verdade.

"Por que realmente estou aqui?"


® Saulo Ribeiro.

sábado, 18 de setembro de 2010

Lobo na pele de cordeiro




Lobos. Quantos já uivaram á sua volta, em toda sua vida?
Por que lobos? Porque pessoas seguem tal caminho sem ao menos perceber, agindo realmente como um lobo, pelo absoluto instinto.
Transparecer sendo algo oposto, sendo algo dócil e simpático, vestindo uma bela pele de cordeiro para que ninguém desconfie de seus "instintos". Sim, existem vários lobos a nossa volta, todos os dias. Você pode vê-los? Eles geralmente não parecem ser lobos, mas as garras ainda são as mesmas.
É claro que não julgarei os lobos no geral, afinal, só os que se vestem de lã branca pra atrair amigos tão inimigos quanto os mesmos, é que merecem meu desprezo.

Pessoas falsas. Chegamos finalmente ao ponto "X" da questão.
Falsidade provêm da ganancia, e a ganancia provêm do egoísmo.
Geralmente são traiçoeiras e simpáticas até demais. Sinto tristeza em pensar que menosprezam a simpatia (que é algo que provêm de uma boa sintonia com outra pessoa) a ponto de usar tais métodos para obter vantagem sobre seus objetivos um tanto ruins. Por que isso acontece? Ganancia e Egoísmo.

Aqueles que fazem se passar por gente correta para alcançar os seus objetivos sujos e muitas vezes até criminosos, são os mesmos que um dia irão morrer aos poucos, como uma única flor murchando em volta de tantas outras belas flores que compartilham do mesmo chão.
Espero que um dia o nosso jardim não murche.

Então, pensando sobre todo esse assunto, eu revejo as minhas companhias, você revê as suas, todas as pessoas "pensantes" param pra procurar tais vestígios de tudo isso ao qual os foi dito.

O que você é? Lobo ou cordeiro?
Indepentende da sua resposta, a verdade pode ser relativa.
Tão relativa, a ponto de fazer você pensar de novo nesse exato momento.


® Saulo Ribeiro

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O mar



Eu faço uma grande comparação ao mar. Imagine a suposta situação:
Você está no mar, e quer atravessar até o outro lado. Mas quanto mais distante ficar, ondas mais fortes virão a colidir em você, mesmo que não queira, além de ser fundo. Agora compare com a seguinte situação:

O mar representa sua vida, e o “atravessar até o outro lado” significa a trajetória, a jornada, o caminho que você vai ter. As ondas significam pessoas que irão lhe derrubar, são basicamente provações que a vida impõe a você. Na sua vida você vai encontrar algumas pessoas que estão nadando na mesma direção que você, com o mesmo objetivo. Algumas delas se afogam no caminho, outras preferem virar uma dessas ondas e seguir o mesmo ritmo na mesma sintonia sempre. (Se aliar á massas e simplesmente agir como uma marionete não podendo nem ao menos controlar os próprios sentidos e a própria idéia.)

Opiniões de pessoas que se deixam levar por opiniões de outras pessoas, são opiniões não formadas, a não ser que essa pessoa comprove por si mesma e pela própria consciência e razão que a outra realmente está certa. A distância que menciono lá em cima se relaciona a “Responsabilidade”. Quanto mais responsabilidade você ter na sua vida, mais pessoas cairão em cima de você para lhe cobrar algo, ou até mesmo para lhe derrubar ou ser falsas com sua pessoa. Inventaram o Céu e o inferno, para deixar as pessoas sem escolha de pensamento, e se aliar mais facilmente a igreja (O grande intuito do tal “céu e inferno”).

Acredito em Deus da minha forma, sem precisar dizer “eu sou isso, eu sou aquilo” ou “Vem pra minha igreja aceitar Deus”. Se eu estou vivo hoje, é porque eu fui aceito por Deus para estar aqui agora. Não é uma igreja que vai mudar isso. Nunca desmerecer satanistas, ateus, judeus, indígenas, candomblés e outras crenças, só porque eles não seguem a sua. Como Renato Russo dizia, “Todos tem suas próprias razões”. Todos nós temos pensamentos e idéias diferentes. Se tivéssemos pensamentos e idéias iguais, ninguém estaria pensando.

Não sou nenhum democrata ou revolucionário, só tento enxergar de todos os ângulos o que realmente faz um planeta ficar cego da própria alma, e não saber se libertar de si mesmo e do que a sociedade suja e hipócrita o impõe a ser. É muito fácil prever a vida de uma pessoa. “Estudar, estudar, estudar, ir pra festas, trabalhar, ganhar um carro quando completar 18 anos, ter filhos, chegar aos 50 anos sendo um velho moralista, que quer se dar o exemplo pra todo mundo, depois vai fazer suas caminhadas nas pracinhas aos 68 anos, e depois vive uma rotina quase insuportável e depois morre”. Nadar contra a corrente, ser a exceção, ser o diferente, não nos torna “indiferentes”. Somos diferentes sim, e isso é o que faz a diferença!

Se não estivéssemos agora pensando em como essa nossa filosofia própria pode ajudar milhões de outras filosofias (que um dia, se Deus quiser, provarão por si mesmas que a nossa faz sentido), estaríamos contribuindo com “as ondas” e não seríamos reconhecidos como “quem tenta chegar ao outro lado”, afinal somos só gotas de água nas grandes ondas que tentam derrubar a quem ir contra a maré; Quem se importa com as gotas de água de uma onda, já que são todas iguais e sempre fazem a mesma coisa? Acreditando nesse conceito, vejo que pessoas iguais são “quase invisíveis na sociedade”. E pessoas que carregam e tentam divulgar uma filosofia própria ao mundo, na maioria das vezes são tachadas de “loucos”. Quem é louco? Quem é igual e chama quem não é igual de louco? Ou quem é diferente e acham que todos os loucos são “iguais”?

® Saulo Ribeiro.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Valores existenciais




O que importa? Valor social ou existencial? Vivência ou sobrevivência? Por que isso é tão relativo?
Acabei de ter uma briga com minha mãe sobre isso. Meus pensamentos não podem alimentar minha barriga, mas alimentam este ser a que vos escreve agora. Sobreviver é tentar viver e viver é desfrutar dessa vida, da melhor forma possível. Antes de tudo, temos que aprender a sobreviver nesse velho compasso ao qual chamamos de Terra. Depois de sobrevivermos, vamos viver pra que no futuro possa ser mais facil sobreviver. Eu sei que eu tenho mais valor existencial do que social, afinal, nem emprego em tenho ainda, e de fato, para muitas pessoas você só vale algo se o seu dinheiro também valer. É como se você, ao ver dos outros, os outros não enxergassem você como pessoa, mas sim como status, valor, renda.
Mas e o meu sentido em viver? Isso realmente não nos torna especiais? Isso, antes de todo esse capitalismo ganancioso começar, não era pra ser o encontro do seu real sentido em estar vivo? As pessoas se apegam fácil ao que elas podem ver a sua volta, e não tentam procurar coisas escondidas em si mesmas, que somente as mesmas podem encontrar. É sempre, apesar de fazer tudo por dinheiro, faz tudo isso também por benefício próprio, pra não precisar ser pisoteado por outras pessoas gananciosas, e isso acarreta uma inércia mental.
Neutralidade. Você consegue chegar a esse nível? Não é fácil, mas também não é difícil. É apenas neutro. Basta querer.
Se formos neutros tratando nossos valores existenciais e sociais de uma forma recíproca, seremos bem mais sábios do que fomos a um segundo atrás. Mantendo esse ritmo, estaremos dando início a uma nova geração neutra, descartando os erros passados e usando isso para o bem da humanidade e do planeta.
O mundo não é só trabalhar, ganhar dinheiro e morrer. O mundo é desvendar mistérios, soluções escondidas para que um dia um novo sol possa nascer e iluminar bilhões de mentes incríveis que tem o dever de defender cada feixe de luz desse sol. Assim, o mundo não seria tão imprevisível como é hoje e não voltaríamos a escuridão, mesmo com lâmpadas acesas.

Você acredita em si mesmo?
Regenere os seus sonhos, pise firme no chão, e voe o mais alto que puder. Até aonde nem mesmo o céu possa te alcançar.

Você tem tudo o que precisa, agora, boa viagem.


® Saulo Ribeiro